Home ACTUALIDADE EM PORTUGAL ‘O Clube das Baby-Sitters’, a série que está a juntar as famílias no sofá

‘O Clube das Baby-Sitters’, a série que está a juntar as famílias no sofá

octubre 9, 2021

Se a primeira temporada serviu para pacificar a convivência doméstica num ano em que esta foi testada até ao limite, a segunda promete reservar algum calor familiar para uma altura em que estamos todos de volta à vida. A estrear-se segunda-feira na Netflix, esta leva de episódios (apenas oito, após os dez iniciais) segue Kristy Thomas (Sophie Grace, presidente e fundadora), Mary Anne Spier (Malia Baker, secretária), Claudia Kishi (Momona Tamada, vice-presidente), Stacey McGill (Shay Rudolph, tesoureira) e Dawn Schafer (Kyndra Sanchez, delegada alternativa) num novo ano lectivo e, sobretudo, em importantes mudanças nos seus núcleos familiares. As cinco dão continuidade ao fim da temporada anterior, em que recrutaram mais dois elementos para o Clube: Mallory Pike (Vivian Watson) e Jessi Ramsey (Anais Lee). As reuniões em torno de um telefone fixo no quarto de Claudia, onde se reúnem para gerir o “negócio”, enquanto vão abordando os dramas de crescimento e percebendo como se podem ajudar umas às outras, manter-se-ão o centro de operações desta comédia dramática, que consegue ser reconfortante enquanto trata de assuntos tão sérios quanto a diabetes na juventude, a identidade de género ou as relações.

A criadora e showrunner Rachel Shukert (GLOW) respeita o modelo narrativo dos livros de Ann M. Martin (que já tinham sido adaptados para televisão, pela HBO, em 1990). Isto é, cada episódio é escrito do ponto de vista de uma das raparigas. Mas não se limita a colorir e a actualizar a história. Acrescenta-lhe pontos cardeais. Por exemplo, incluindo referências pop que, mais do que piscares de olho, são uma forma de manter os espectadores de hoje interessados numa narrativa que pertence a outra geração – seja com um apontamento tirado de The Handmaid’s Tale ou um gesto de resistência de Os Jogos da Fome. A que se soma a presença de Alicia Silverstone, ela própria uma antiga babysitter no grande ecrã, no papel da mãe de Kristy. O elenco adulto conta também com Marc Evan Jackson (The Good Place), Takayo Fischer (Piratas das Caraíbas – Nos Confins do Mundo), Mark Feuerstein (Os Homens do Presidente) e Jessica Elaina Eason (Os Goldberg).

Netflix. Seg (estreia T2)

+ Glória, a primeira série portuguesa da Netflix, estreia-se a 5 de Novembro

+ HBO mostra um pedacinho da prequela de A Guerra dos Tronos

0