music_note
  • ¡HAZ TU PROGRAMA!
  • ¿QUÉ HACEMOS POR TI?
  • CONTACTO

ACTUALIDADE EM PORTUGAL

Ao vivo – finalmente – com Magazino

todayoctubre 18, 2021 3

Fondo
share close

Ao vivo – finalmente – com Magazino

Chuva e um arco-íris a rasgar o céu. O regresso de Magazino à cabine no passado sábado à tarde, quase dois anos depois de ter tocado pela última vez, foi especial. Para muita gente que encheu a abandonada piscina olímpica do Belenenses, ao lado do Estádio do Restelo, era também o regresso às festas de electrónica, em particular às da Bloop, editora/promotora da qual Magazino é uma peça-chave. “Foi mais do que especial, foi mágico”, escreve a Bloop na sua página de Instagram no pós-festa.

Bloop
Gabriell Vieira

Depois de um set de duas horas com a pista em êxtase, Magazino saiu da cabine directamente para o carro com um roupão cheio de estrelas que alguém lhe arranjou. Saiu poucos segundos apenas para a foto da Time Out e foi aplaudido por um mar de gente, que entretanto o reconhecia. Sorriu, agradeceu da borda da piscina e voltou para o carro, exausto, mas aparentemente feliz. “A piscina inundou de amor. Foi uma catarse geral de celebração da vida”, escreveu mais tarde nas redes sociais, onde também agradeceu aos sócios da Bloop por montarem “a nossa melhor festa de sempre”. “O arco-íris ao fim da tarde foi mágico, não há coincidências, malta.”

Magazino, Bloop
Gabriell Vieira

A festa foi o culminar de uma semana louca de entrevistas de apresentação da sua autobiografia Ao Vivo, com um lançamento no Lux Frágil e aparições em vários programas, incluindo o de Cristina Ferreira (na televisão pede propositadamente para não haver música triste), além das transfusões e da quimioterapia que se tornaram parte da rotina.

Juntos pelo Magazino

Chama-se Luís Costa, mas ninguém o trata pelo nome. “Quando jogava à bola no Vitória [de Setúbal] era o Costinha”, explica no livro, e “a maior parte do pessoal” trata-o por “Magas ou Magazino”. Assim ficou conhecido, Mas não só no mundo da electrónica. No final de 2019, depois de vários fins-de-semana a tocar fora, decidiu ir ao médico quando se sentiu demasiado cansado depois de uma festa em Viena. Estava doente e não sabia. “Percebi que [a médica] me tinha dito que eu tinha uma pneumonia e eu pensei cá para mim ‘Pneumonia? Pá, então mas eu vou tocar a Moscovo na quinta-feira?”, conta no livro. “Perguntei à médica e é quando ela me diz ‘não, não é uma pneumonia, é uma leucemia’ que fiquei de rastos. Não ia a Moscovo nem a lado nenhum.”

A sua história começou a circular pelo país fora quando duas amigas lançaram a campanha “Juntos Pelo Magazino”, para arranjar um dador compatível para o transplante de medula óssea que precisava. Em 2020, esteve 30 dias em coma com covid-19 e nessa altura apareceu também um dador compatível. “O que eu não sabia é que a quimioterapia tinha que me limpar a medula toda, para eu poder fazer o transplante”, conta.

A doença é só uma parte de Ao Vivo, editado pela Showtime Books em papel e em ebook. “Viagens, família, mulheres, amigos, colegas, cabines, hotéis, palcos, drogas, tours”, enumera, compõem o livro escrito a meias com Ana Ventura (autora também de À Minha Maneira, a biografia dos Xutos & Pontapés), que Magazino conheceu na altura da digressão dos 10 anos da Bloop, em 2017.

Ao Vivo, Magazino
DR

As receitas do livro serão doadas a duas instituições: a Associação Portuguesa Contra a Leucemia e a alternativa Heal Me, com curas energéticas, que, segundo Magazino, lhe tem dado as “ferramentas para acordar todos os dias feliz e motivado para enfrentar um dia de cada vez”. O DJ tornou-se um exemplo de superação. “É o Zé Pedro no rock e o Magazino na electrónica”, compara alguém na festa de sábado. 

Ana Ventura, co-autora do livro, pega no título da canção dos Indeep para descrever o que sentiu ao escrever o livro: “Last Night a DJ Saved My Life.” E explica: “Em relação ao Magazino, não foi apenas ‘a noite passada’ que foi salva. Foi o dia de hoje e a forma como passámos, todos, a encarar o amanhã. Se essa não é a maior prova de superação de um ser humano, não sei qual será.”

Ao Vivo, Showtime Books, 20€ (5€ em ebook). À venda aqui.

Escrito por Comunicación Cultural

Rate it

Artículo anterior


Portuguese PT Spanish ES
0%