music_note
  • ¡HAZ TU PROGRAMA!
  • ¿QUÉ HACEMOS POR TI?
  • CONTACTO

ACTUALIDADE EM PORTUGAL

Comefinamento: Go Juu

todaymarzo 21, 2021 26

Fondo
share close

O Go Juu começou como um clube de sushi para saudosos de Takashi Yoshitake e do seu Aya, restaurante de que é orgulhoso herdeiro no menu e na escola. Mas, em dias fracos, deixavam os ignaros que não haviam sido tocados pelos niguiris do mestre lá ir respigar o chutoro, eventualmente num lugar ao balcão à terça-feira, afortunadamente numa desistência ao fim-de-semana.

Fui lá algumas vezes, mesmo não sendo membro do clube – e ainda que tenha comido no Aya (ah, injustiça!). À frente do balcão estava – e está – o chef Fagner Buzinhani, com quem conversava sobre a época do ouriço e a maturação do atum. Fagner era de uma sabedoria serena, ao contrário de certos sócios, pseudo-especialistas em fine dining e em baboseiras de gourmet novo-rico que fariam Yoshitake bolsar.

À parte a parvoíce do pseudo-clube, tudo o resto era maravilhoso no Go Juu. Comi lá sempre bem, sempre peixe fresquíssimo, sushi clássico sem atalhos, peixe pescado com anzol por mãos de bordadeira. De topo, igualmente, a cozinha de quentes, tradicional e diversificada.

Lisboa não terá melhor, ainda hoje, se descontarmos sítios com preços acima de 60 euros por cabeça. Mas, pronto, havia o clube e isso aborrecia-me. Havia o clube e por causa disso não ia lá há algum tempo.

Até que bateu de novo aquele desejo por peixe cru. Comecei a sonhar com fatias de dourada, rosáceas de pregado e arroz glutinoso. Era preciso fazer alguma coisa. A questão colocou-se: voltar ou não voltar?

Voltar. De resto, o suposto clubismo estaria semi-desactivado. Ou assim julgava eu.

Desta feita, não recorri a um serviço de entregas, como costumo fazer. Ao telefone, convenceram-me que seria preferível ir buscar a comida ao restaurante – e eu assim fiz. Pelas 19.57, três minutos antes da hora, com uma chuva copiosa e sem telheiro, aguardei a minha vez para pegar a encomenda. Estavam duas pessoas à frente. Entretanto chegou um terceiro homem, já depois de mim. Foi então que o inusitado aconteceu.

O terceiro homem começou a chegar-se à entrada do Go Juu, tentando ganhar posição. Eu de um lado da porta, ele do outro. Quando a segunda pessoa saiu, o terceiro homem meteu-se sem pudor. Atenção: não era a fila para os correios serpenteando pela calçada; eram duas pessoas à frente dele, num raio de 100 metros nem vivalma. Mas ainda assim ele meteu-se. A chefe de sala do Go Juu atendeu-o sem hesitar. Perante o meu protesto, pediu desculpa. Isso não a impediu de continuar a atendê-lo. O terceiro homem, por sua vez, justificou-se alegando que eu não me aproximei. Deveria tê-lo placado como um pilar dos All Blacks? Deveria ter aberto os braços como um defesa da NBA?

Alguém trouxe rapidamente o saco da encomenda ao terceiro homem e a chef de sala, funcionária antiga e experiente, passou-o nervosa. O terceiro homem tinha o cartão multibanco na mão, mas a chef de sala não o quis. Disse ao terceiro homem que podia ir, não precisava de pagar. O estafeta da Volup, que também aguardava a vez, riu-se do patético da situação e do pateta esgueirando-se entre os pingos da chuva com os seus rolinhos de sushi na mão, a barriga aos trambolhões até ao SUV.

Eis os sócios. Eis a nobreza do clube, versão take-away.

A chefe de sala do Go Juu pediu desculpa e voltou a pedir. Mas não havia como evitar o desaire. A refeição estava estragada. Nada que ver com o peixe – impecável. Nem com o embalamento – uns furos abaixo da concorrência. Nem com a soja Kikkoman – salgadíssima. Nem com o pão de ló de chá verde – fresco e guloso. É só que os restaurantes, mesmo em crise, mesmo em modo take-away, são sítios onde queremos ser bem tratados, tratados como iguais. É só que a vida, tal como ela era, foi suspensa, mas a democracia ainda não.

Yoshitake não ficaria orgulhoso.

Rua Marquês de Sá da Bandeira, 46 A (Praça de Espanha), Lisboa. gojuu.pt. 21 828 0704/ 93 329 8148. Seg-Dom 12.30-14.30/ 19.30-22.00. Recolha à porta do Gojuu ou entregas em casa. Preço: 25€-40€

+ Sushi ao domicílio 

+ Leia aqui, grátis, a Time Out Portugal desta semana

Escrito por Comunicación Cultural

Rate it

Artículo anterior

ACTUALIDAD

Digital Transformation Is About People, Not Technology

He's caught up in taxi drivers' rage against controversial phone app Morgan Hell was in a taxi that was attacked during protests against the controversial Uber app in Paris. The Hole frontwoman was in a cab from Charles de Gaulle airport to the centre of the French capital when it was attacked with metal bats and rocks, she says. And she adds that her driver was at one point "taken […]

todaymarzo 20, 2021 4


Publicaciones similares


Portuguese PT Spanish ES
0%