Do 5 de Outubro a Isabel II: três mulheres em destaque no Museu da Presidência da República

O acervo do Museu da Presidência da República (MPR) está cheio de novidades. Numa exposição temporária, o museu reúne registos fotográficos da implantação da República, a 5 de Outubro de 1910, impressos em bilhetes-postais. Num dia em que a revolução saiu à rua, as imagens mostram barricadas no centro da cidade, canhões e vestígios de disparos de artilharia.

Bilhete-postal com imagem do contingente republicano na Rotunda da Avenida, onde se vê Amélia Santos
© Tipografia A Editora/Museu da Presidência da RepúblicaBilhete-postal com imagem do contingente republicano na Rotunda da Avenida, onde se vê Amélia Santos

Mas esta é também uma história feita de protagonistas anónimos, militares e civis. Destaque para Amélia Santos, uma popular que veio a ganhar notoriedade e a tornar-se numa heroína do momento. Dias depois de ter empunhado um revolver nas ruas de Lisboa, daria uma entrevista ao jornal A Capital.

“Era justo deixar que os homens se estivessem a bater e a morrer pela causa de todos, enquanto nós nos escondíamos, medrosamente em casa? Para empunhar uma arma, tanto serve um homem como uma mulher. É certo que eu não sabia manejá-la; mas também lá estavam homens nas mesmas condições e depressa aprendiam. Assim fiz eu”, afirmou. Este e outros rostos podem ser visto na exposição dos bilhetes-postais recentemente adquiridos pelo museu. 

 

Na na tomada de posse do V Governo Constitucional, ao lado do Presidente da República, António Ramalho Eanes, em Agosto de 1979
© Centro de Documentação 25 de Abril/Fundo Maria de Lourdes PintasilgoNa na tomada de posse do V Governo Constitucional, ao lado do Presidente da República, António Ramalho Eanes, em Agosto de 1979

Mas as novidades para Março não ficam por aqui. O museu do Palácio de Belém vai receber uma exposição intitulada “Maria de Lourdes Pintasilgo: Mulher de um Tempo Novo”, que percorre a vida e a obra da primeira candidata à Presidência da República (além de ter sido a primeira mulher a servir como primeira-ministra de Portugal, entre 1979 e 1980, e a única até aos dias de hoje).

A exposição evoca os anos enquanto aluna do Instituto Superior Técnico, o empenho em movimentos católicos e as causas que abraçou, bem como “a fundação do Graal, a participação nos três primeiros Governos Provisórios da Democracia, a liderança do V Governo Constitucional e a longa relação com a ONU”, segundo o comunicado do museu.

O Presidente Craveiro Lopes e a Rainha Isabel II no Teatro São Carlos, a 19 de Fevereiro de 1957
© Museu da Presidência da RepúblicaO Presidente Craveiro Lopes e a Rainha Isabel II no Teatro São Carlos, a 19 de Fevereiro de 1957

Numa programação dedicada a personalidades históricas femininas, também Isabel II é resgatada do acervo para assinalar as suas visitas a Portugal, em 1957 e em 1985, mesmo a tempo das celebrações do Jubileu de Platina da rainha de Inglaterra. A primeira destacou-se por ter sido a mais mediática e o MPR exibe agora, numa mostra online disponível no Arquivo dos Presidentes, vários documentos que atestam a singularidade desta estadia que durou quatro dias. Será possível ter acesso ao discurso proferido pelo Presidente Craveiro Lopes, durante o banquete no Palácio da Ajuda, o programa oficial feito pela Rainha ou mesmo o rol de personalidades que integraram a comitiva real.

Praça Afonso de Albuquerque, 1A. 21 361 4660. Ter-Sex 10.00-18.00 e Sáb-Dom 10.00-13.00 e 14.00-18.00. Entrada: 2,50€.

 

+ Instalação imersiva de Hugo Canoilas leva a Gulbenkian ao fundo do mar

+ A Monstra homenageia a Bulgária e convida a olhar para o leste europeu

Portuguese PT Spanish ES
0%