music_note
  • ¡HAZ TU PROGRAMA!
  • ¿QUÉ HACEMOS POR TI?
  • CONTACTO

ACTUALIDADE EM PORTUGAL

Em Almada, a dança transborda mais uma vez as fronteiras da Europa

todayfebrero 16, 2022

Fondo
share close

Em Almada, a dança transborda mais uma vez as fronteiras da Europa

Em 2021, as artes performativas nacionais ganharam um novo festival: a mostra Transborda, em Almada, organizada pelos directores artísticos da Casa da Dança, também na Margem Sul. Os brasileiros Adriana Grechi e Amaury Cacciacarro trouxeram para ambas as estruturas uma programação de dança contemporânea mais experimental virada simultaneamente para o local e para o internacional, desviando o raio de acção do habitual circuito franco-belga para a produção artística de criadores do Brasil e da América Latina. Na segunda edição da Transborda, que arranca esta quinta-feira e decorre até 12 de Março, isso é ainda mais evidente.

“Há uma forte presença de artistas brasileiros e de outros países da América Latina. Na verdade, a maior parte destes artistas vive há muitos anos na Europa sem perder a conexão com os seus países de origem e vem contribuindo para formar uma Europa – e também uma América Latina – mais diversa e múltipla”, diz Adriana Grechi à Time Out. Para a co-directora da mostra, esta vivência entre dois continentes contribuiu para “a expansão do olhar, com a capacidade de ultrapassar fronteiras e de dialogar com culturas diversas”.

Marcelo Evelin (Brasil/Holanda), Vania Vaneau (Brasil/França), Vera Mantero (Portugal), Volmir Cordeiro (Brasil/França) e Marcela Santander (Chile/França), Nacera Belaza (Argélia/França), Bruno Brandolino (Uruguai/Portugal) e Bibi Dória (Brasil/ Portugal) são os artistas que compõem o alinhamento deste ano, com espectáculos, oficinas, conversas e performances. Será possível auscultar “uma certa diversidade que constitui a dança europeia actual”, nota Adriana Grechi, destacando a presença da coreógrafa franco-argelina Nacera Belaza, que leva a Almada duas peças fundamentais do seu percurso, Le Cri e Sur le Fil. “Além de ser uma das artistas mais renomadas da França actual, participa de forma activa na cultura da Argélia, organizando projectos voltados para a difusão, formação e sensibilização de públicos para a arte contemporânea.”

Palco, Dança, Performance, Época, Marcela Santander
©DR

Há muito a viver na Europa, Volmir Cordeiro é outro nome incontornável desta edição. Apresenta, pela segunda vez em Portugal, Época, espectáculo co-criado com a coreógrafa chilena Marcela Santander Corvalán e que procura vivificar um arquivo de danças feitas por mulheres entre os anos 20 e o presente. Já La Burla – um encontro entre o sagrado e o profano ancorado num repertório iconográfico medieval – é o resultado da parceria entre o coreógrafo Bruno Brandolino e a performer Bibi Dória, em colaboração com a desenhadora de luz Leticia Skrycky.

Atenções redobradas também para Marcelo Evelin, veterano da dança contemporânea brasileira que activa o espectáculo Barricada num formato de oficina/performance, convocando para esta criação colectiva 30 performers locais. Os processos criativos colectivos e participativos são, aliás, uma das apostas deste ano, com coreógrafos experientes a partilharem as suas práticas junto de profissionais e não-profissionais. Além de Evelin, Vera Mantero coordena uma “oficina imersiva” de composição e interpretação com a duração de dez dias e Vania Vaneau um encontro em que se propõe atravessar experiências físicas e sensoriais que activam diferentes dimensões do corpo físico e psíquico. “Após mais de dois anos de pandemia entendemos que o estarmos juntos têm uma importância ainda maior”, assinala Adriana Grechi.

Tanto no que diz respeito à Casa da Dança como à Transborda, um dos objectivos é incentivar o estabelecimento de circuitos de apresentação e fruição cultural fora dos principais centros e instituições. Os responsáveis identificam já um movimento de públicos de Lisboa para a Margem Sul, que esperam que seja ampliado nesta segunda edição da mostra, sublinhando a importância das oficinas e criações participativas para estimular o envolvimento não só de estudantes e artistas das duas margens, mas também dos moradores locais. “Já iniciamos um processo de construção de uma comunidade de fruição cultural diversa e a cada projecto esta comunidade se expande um pouco mais”, acredita Adriana Grechi. “Mas ainda existem inúmeros bairros da Margem Sul por conectar com as actividades da Casa da Dança: este é um trabalho a longo prazo.”

Transborda – Mostra Internacional de Artes Performativas de Almada. 17 de Fev a 12 de Mar. Academia Almadense, Teatro Municipal Joaquim Benite, Casa Municipal da Juventude de Cacilhas. 5€-10€. Programação completa em www.transborda.org

+ ‘Maráia Quéri’ ou o que é isso dos prazeres que nos fazem corar

+ Leia, grátis, a edição digital da Time Out Portugal desta semana

Escrito por Comunicación Cultural

Rate it

Artículo anterior


Portuguese PT Spanish ES
0%