music_note
  • ¡HAZ TU PROGRAMA!
  • ¿QUÉ HACEMOS POR TI?
  • EVENTOS LATINOS
  • CONTACTO

ACTUALIDADE EM PORTUGAL

Nova esplanada d’A Chamuçaria convida a refeições bem regadas

todayjulio 19, 2021 7

Fondo
share close

No Verão de 2020, Shahid Merali arriscou abrir A Chamuçaria, em regime de take-away e entrega ao domicílio, para provar como a especialidade indiana não tem de ser apenas um acessório à refeição. Agora, inaugurou uma nova esplanada em Telheiras. À beira de uma rua residencial, é perfeita para ver a vida a acontecer em câmara lenta, de Bohemia na mão. “Acompanhar a cerveja certa com a chamuça certa é uma viagem”, diz o empreendedor, que nos desafia a experimentar este pairing.

Desde o recheio à cobertura, as chamuças à escolha são feitas de raiz pela mãe de Shahid, Rosy Daia. Há três de carne (frango, frango picante ou cabrito), três para quem prefere o sabor a mar (com peixe, camarão ou choco e lulas) e três vegetarianas (de batata picante, vegetais ou lentilhas amarelas). Para a sobremesa, também há chamuças, mas doces: chocolate negro com picante, tarte de maçã e “a cremosa do chef”. À unidade (1,75€-2,50€) ou em menu no prato (9,50€), este clássico da cozinha indiana vem em diferentes tons, cortesia dos corantes naturais.

“As receitas de família, do Norte da Índia, também se inspiram nos sabores de Moçambique, onde nasceram os meus pais, e de Portugal, onde eu nasci, em Setúbal”, partilha Shahid, que faz parte da comunidade ismaelita portuguesa. “Uma das tradições lá em casa é, depois de uma trinca, pôr duas a três gotas de limão nas chamuças. A seguir, aconselho experimentar os picantes.” Desde o vermelho, com malagueta, até ao achar de limão ou ao tempero de tamarindo, que também vendem em frascos de 200g (7,50€).

A Chamuçaria
A Chamuçaria

Na Chamuçaria há ainda kurkuriyas, um aperitivo que normalmente só existe em casa de quem faz as chamuças” e é feito com a mesma massa. “As minhas avós aparavam-nas, fritavam mais um bocado e punham sal e especiarias em cima. Achámos que seria interessante trazermos para a mesa.” E para a mercearia, em Telheiras e num pop-up no El Corte Inglés (até Agosto), onde há pacotes destas tiras salgadas e crocantes (4,50€), mas também chevdo (7,50€), uma combinação de arroz tufado, lentilha, grão de bico, amendoim, castanha de caju, batata frita e louro indiano.

Se procura uma alternativa às chamuças, vale a pena conhecer os pratos quentes, como o caril de vegetais (8,50€) ou o de camarão black tiger em leite de coco (13,50€), que vêm acompanhados de arroz basmati ou rotli, um pão achatado sem levedura, típico do sul da Índia. “Tradicionalmente, põe-se o caril no prato, pega-se num pedaço de pão e come-se à mão. A quem não está habituado, costumamos aconselhar fazer uma espécie de wrap.” Na eventualidade de querer repetir em casa, é só comprar congelado. Entretanto, o melhor é começar a pensar em fazer reserva. É que, à boleia do Verão, A Chamuçaria também preparou cestos de piquenique (35€-60€) para refeições ao ar livre.

Rua Prof. Carlos Teixeira 7A (Telheiras). Seg-Sex 12.00-15.00 e 18.30-21.30, Sáb 12.00-21.30.

+ Os melhores restaurantes indianos em Lisboa

+ A nova edição da Time Out Lisboa já está nas bancas

Escrito por Comunicación Cultural

Rate it

Artículo anterior

ACTUALIDADE EM PORTUGAL

Dez anos, uma série: como o canhão McNamara impulsionou a Nazaré no mundo do surf

Esta história começa com Dino Casimiro, um profundo admirador da fúria do oceano, que num momento de excesso de entusiasmo e voluntarismo desencadeou um processo que viria a pôr a Nazaré no mapa do surf mundial. Vila de alegria estival e longos invernos, com um respeito sacramental pelo mar, a Nazaré não era conhecida como um spot para surfistas, muito menos a Praia do Norte com as suas monstruosas ondas, […]

todayjulio 18, 2021 11


Publicaciones similares


Portuguese PT Spanish ES
0%