O Pátio das Antigas: Feira saloia no Lumiar

A Feira do Lumiar era a mais antiga de Lisboa, remontando a finais do século XIII. Vendia-se lá de tudo: gado, legumes, fruta, roupa, artigos para o lar e bugigangas, muitas bugigangas.

A fotografia desta página podia ter sido tirada há 100 anos em qualquer aldeia portuguesa em que estivesse a decorrer uma feira. A imagem data realmente do início do século passado, mas foi feita naquele que é um hoje um bairro urbanizado e integrado na cidade, o Lumiar. Mas que então era ainda um lugar de grandes quintas, casinhas com hortas, olivais, vinhas e campos de cereais. Lá se realizava regularmente a Feira do Lumiar, que a foto documenta. Remontando a finais do século XIII, era a mais antiga da história da cidade, saborosamente descrita por Fialho de Almeida num dos seus textos jornalísticos como “a típica, colorida e buliçosa feira saloia, abundantíssima em bois, vacas, jericos, ovelhas e cabras, vendedores e vendedoras de tudo e mais alguma coisa, campónios, tipos castiços e toda a sorte de matarruanos”.

Vendia-se de tudo na Feira do Lumiar: gado, roupas, sapatos, panos, artigos para o lar e de ourivesaria, frutas e legumes, vinho e, inevitavelmente, bugigangas, muitas bugigangas. Não faltavam também as barracas onde se comia, em especial leitão assado, e se bebia muito e bem. O rápido crescimento da cidade, bem como o aparecimento dos mercados municipais, acabou por ditar o fim da Feira do Lumiar, tal como de outras semelhantes que se realizavam um pouco por toda a capital, como a Feira do Campo Grande, a Feira de Santos ou a Feira de Belém.

Lisboa de outras eras:

+ O Pátio das Antigas: Eça jantou aqui

+ O Pátio das Antigas: O café elegante do Chiado

+ O Pátio das Antigas: Uma avenida a estrear

Portuguese PT Spanish ES
0%