ACTUALIDADE EM PORTUGAL

Na ópera, há que deixar as sopranos morrer

todayenero 6, 2024

Fondo
share close

Na ópera, há que deixar as sopranos morrer

Desdémona morre às mãos do marido Otelo, cego pelo ciúme e convicto da traição da sua mulher. Carmen morre às mãos de José, depois de este perder o amor dela para outro homem. Lakmé suicida-se, ingerindo uma flor venenosa, depois de assistir à partida do seu amado. Tosca sobe a um parapeito e mergulha para a sua morte, após falhar em salvar o marido de um fim trágico. Esfaqueadas, envenenadas ou atiradas de um precipício, a ópera está cheia de mulheres a cair mortas por uma e outra razão. It’s Not Over Until The Soprano Dies explora este imaginário ao recriar finais de óperas em que morrem personagens femininas. Está em cena no São Luiz, entre 12 e 14 de Janeiro.

A cortina ainda bate no chão quando o Prólogo começa a apresentar o espectáculo que se segue. “Ouvireis os gritos de dor, os uivos de raiva e risos cínicos”, salientando que no palco padecem pessoas que em nada diferenciam das que estão sentadas na plateia. Finda a apresentação, a cortina sobe, revelando um cenário mobilado tal e qual uma casa. Aqui, na sala de ensaios da Comuna, não há uma cortina e, desde o início, tudo está à vista. Ao fundo, uma cozinha e uma mesa de jantar; ao centro, um sofá de napa preto e uma pequena mesa; de um lado, uma casa de banho e um quarto singular; do outro, uma cama de casal. 

Num cenário pouco usual para uma ópera, tipicamente apresentada com grande pompa e circunstância nos teatros do século XIX, a peça cria um paralelo entre as árias cantadas e a realidade do nosso quotidiano. “Não me interessava recriar um contexto particular onde cada uma daquelas obras tiveram lugar, portanto teria que encontrar um sítio onde aquilo fosse possível existir e o sítio foi o nosso, o mundo tal como o conhecemos agora”, explica o actor e encenador Jorge Andrade, também director da Mala Voadora, companhia de teatro responsável pela criação da peça. “É como aquelas personagens que vivem ali e que se expressam daquela maneira, mas não deixam de ser de carne e osso”, realça.

It’s Not Over Until The Soprano Dies
Estelle ValenteIt’s Not Over Until The Soprano Dies

Entre La Traviata, Suor Angelica, Otelo e La Juive, são 30 as óperas das quais são recriados os finais. Ao contrário das originais, não há que esperar pelo fim para a tragédia suceder. A um ritmo alucinante, as sopranos morrem uma a uma, e os seus corpos, representados por bonecas em tamanho real, jazem no chão, no sofá, na cama, um pouco por todo o lado, até ao fim da peça. A quantidade e intensidade, algo absurdas, das mortes das personagens femininas surgem com o intuito de perceber se há “uma espécie de constatação e alguma revolta sobre como as mulheres são tratadas na ópera, ou se continua a haver ainda um deleite com o virtuosismo e a beleza daquelas composições musicais”, continua o encenador. 

Na recriação de Salomé, a actriz, sentada no sofá, folheia um livro de história da arte, enquanto é rodeada pelas restantes personagens. Numa sequência frenética, ela é esfaqueada e morre. Em La Gioconda, não há nenhuma luta nem há quem fuja, o suicídio de uma outra soprano ocorre sem causar agitação. Na cozinha, um grupo de amigas procede a fazer mojitos. A forma vertiginosa em que as mortes acontecem em palco torna “impossível fugir ao facto de que elas estão a morrer”. A peça enfatiza ainda como “as mulheres são mortas e a vida continua”, sem que este acontecimento se imponha à vida dos demais. 

No fim de Tosca, um dos homens morre às mãos dos outros e, ao contrário do que acontece com as mulheres, este é rapidamente socorrido. As personagens femininas limpam o seu corpo, antecedendo o momento em que se dá a sua marcha fúnebre, ao som de “Siegfried Funeral”, de Richard Wagner. Num mar de corpos de mulheres, deixados ao abandono, o cuidado e preocupação que envolvem a morte deste homem “ajuda a sublinhar o papel das mulheres no meio disto tudo” e também “o tratamento que as mulheres são votadas na ópera”. 

It’s Not Over Until The Soprano Dies
Estelle ValenteIt’s Not Over Until The Soprano Dies

Neste espectáculo, que traz à luz a concepção dos finais de várias óperas e como estas vivem do sacrifício das mulheres, o encenador quis “explorar [a ópera] tal como existe e perceber emocionalmente, e do ponto de vista dramatúrgico, o que é que significa colocá-las numa sequência, tirando-lhes do seu contexto, das histórias de onde elas vêm e o que é que resulta.” 

Com direcção musical e arranjos do compositor e maestro Nuno Côrte-Real, It’s Not Over Until The Soprano Dies conta com um acompanhamento sinfónico da Orquestra Metropolitana de Lisboa. As árias, sequenciadas numa lógica musical e numa lógica da ocupação do espaço, são cantadas em diferentes línguas, sendo que a peça inclui a legendagem traduzida dos libretos.

São Luiz Teatro Municipal. 12-14 Jan. Sex-Sáb 20.00 Dom 17.30. 12€-15€

+ Se as peças de teatro esgotam, porque é que não há mais?

+Hot Clube de Portugal promove concertos de Jazz no Parque Mayer

Escrito por

Rate it

0%