ACTUALIDADE EM PORTUGAL

Prémios Sophia: ‘Mal Viver’ e ‘Great Yarmouth – Provisional Figures’ foram os filmes da noite

todaymayo 27, 2024 1

Fondo
share close

Prémios Sophia: ‘Mal Viver’ e ‘Great Yarmouth – Provisional Figures’ foram os filmes da noite

Este domingo, numa noite em que se celebrou a liberdade no cinema, também se distribuiu a riqueza. Eram três os filmes a chegar à cerimónia dos Prémios Sophia com mais de dez nomeações, mas os membros da Academia Portuguesa de Cinema espalharam os seus votos por várias produções, em particular por Mal Viver, de João Canijo, e Great Yarmouth – Provisional Figures, de Marco Martins.

Não Sou Nada – The Nothingness Club, de Edgar Pêra, começou a noite como favorito, com 15 nomeações, mas terminou a cerimónia com apenas dois Prémios Sophia, nas categorias de Caracterização/Efeitos Especiais, pelo trabalho de Bárbara Brandão, Carlos Amaral e Júlio Alves; e Actor Principal, atribuído ao veterano Miguel Borges, que assim arrecada o terceiro Sophia da  carreira, após Cinzento e Negro (2017) e Terra Nova (2022).

Sem grandes surpresas, foi Mal Viver, de João Canijo, que acabou por se destacar. Com oito nomeações, recebeu os Sophia de Realização e também o de Melhor Filme, Montagem (João Braz) e de Actriz Secundária, pela prestação de Madalena Almeida, a primeira nomeação da sua carreira e, claro, o seu primeiro prémio da academia portuguesa.

Great Yarmouth: Provisional Figures
DRGreat Yarmouth: Provisional Figures

Quem também se estreou com um Sophia de Actriz Principal foi Beatriz Batarda, pelo seu papel em Great Yarmouth – Provisional Figures, dez anos após ter recebido a distinção de Actriz Secundária em Comboio Noturno Para Lisboa, de Bille August, com quatro nomeações pelo meio. O filme de Marco Martins, que tinha 13 nomeações, venceu ainda os Sophia nas categorias de Direcção de Fotografia (João Ribeiro) – batendo Leonor Teles em Mal Viver –, Som (Miguel Martins e Rafael Cardoso) e Actor Secundário, prémio atribuído a Romeu Runa.

O filme Nação Valente, nomeado em dez categorias, acabou por vencer apenas uma, mas das mais cobiçadas: Carlos Conceição, o realizador, levou para casa o prémio de Melhor Argumento Original. Na categoria de Argumento Adaptado, foi Nayola que arrecadou o Sophia, a única nomeação do filme de José Miguel Ribeiro, graças ao trabalho de Virgílio Almeida a partir de “A Caixa Preta”, de Mia Couto e José Eduardo Agualusa, uma das histórias do livro O Terrorista Elegante e Outras Histórias (2019). Destaque anda para Amadeo, de Vicente Alves do Ó, que das sete nomeações venceu três: Direcção Arte (Artur Pinheiro), Guarda-Roupa (Joana Cardoso) e Maquilhagem e Cabelos (Sandra Pinto e Natália Bogalho).

O Sophia para Melhor Documentário em Longa-Metragem foi atribuído a Viagem ao Sol, realizado por Ansgar Schaefer e Susana de Sousa Dias e uma produção da Kintop Filmes. Uma reflexão sobre as crianças em situações de conflito, colocando em foco narrativas pouco conhecidas, com a ajuda de imagens de arquivo e testemunhos de antigas crianças enviadas para Portugal no pós-II Guerra Mundial.

Basil da Cunha
DR‘2720’, de Basil da Cunha

Nas categorias do cinema de curta-duração, que tem valido muitos prémios ao cinema português além fronteiras, foram três as produções premiadas. Coney Island – As Primeiras Vezes, de Joana Botelho, venceu o Sophia de Melhor Curta-Metragem de Documentário; 2720, de Basil da Cunha, foi considerada a Melhor Curta-Metragem de Ficção; e Sopa Fria, de Marta Monteiro, destacou-se na categoria de Melhor Curta-Metragem de Animação.

Durante a cerimónia foram ainda atribuídos dois Prémios Sophia Carreira. Primeiro ao cantor de intervenção e compositor Luís Cília, pela sua contribuição na construção de bandas sonoras para cinema, como as de Até Amanhã, Camaradas ou Os Gatos não Têm Vertigens; e ao documentarista Rui Simões. Houve também espaço para uma surpresa, até para o próprio: José Manuel Costa foi agraciado com o Sophia Mérito e Excelência, num ano em que cessou funções como director da Cinemateca Portuguesa, instituição à qual estava ligado desde 1975 e na qual desempenhou várias funções. Até hoje, este galardão apenas tinha sido atribuído a Manoel de Oliveira e a Ruy de Carvalho.

Rodrigo Tomás, Helena Caldeira e José Condessa
©Paulo Goulart/NetflixRodrigo Tomás, Helena Caldeira e José Condessa, em ‘Rabo de Peixe’

Apesar de ser uma cerimónia dedicada ao cinema, também há espaço para o pequeno ecrã. Rabo de Peixe (Netflix) venceu o Sophia para Melhor Série/Telefilme, numa categoria onde estavam nomeadas as séries Cavalos de Corrida (RTP1), Emília (RTP1) e Salgueiro Maia – O Implicado (RTP1), produção que também existe em versão longa-metragem.

A lista completa dos vencedores

Melhor Filme
Mal Viver (Pedro Borges, produtor, Midas Filmes)

Melhor Realização
Mal Viver, João Canijo

Melhor Argumento Original
Nação Valente, Carlos Conceição

Melhor Argumento Adaptado
Nayola, Virgílio Almeida

Melhor Actor Principal
Miguel Borges, Não Sou Nada – The Nothingness Club

Melhor Actriz Principal
Beatriz Batarda, Great Yarmouth – Provisional Figures

Melhor Actor Secundário
Romeu Runa, Great Yarmouth – Provisional Figures

Melhor Actriz Secundária
Madalena Almeida, Mal Viver

Melhor Documentário em Longa-Metragem
Viagem ao Sol – Ansgar Schaefer, Elsa Sertório, Rui Ribeiro (produção), Ansgar Schaefer e Susana de Sousa Dias (realização) – Kintop Filmes

Melhor Direcção de Fotografia
Great Yarmouth – Provisional Figures, João Ribeiro

Melhor Montagem
Mal Viver, João Braz

Melhor Som
Miguel Martins e Rafael Cardoso, Great Yarmouth – Provisional Figures

Melhor Canção Original
“Caretos”, Os Demónios do Meu Avô (Letra: Possidónio Cachapa /Música: Carlos Guerreiro, Interpretação: Gaiteiros de Lisboa)

Melhor Banda Sonora Original
Os Demónios do Meu Avô, Manuel Riveiro e Gaiteiros de Lisboa

Melhor Direcção Arte
Amadeo, Artur Pinheiro

Melhor Caracterização/Efeitos Especiais
Não Sou Nada – The Nothingness Club, Bárbara Brandão, Carlos Amaral e Júlio Alves

Melhor Guarda-Roupa
Amadeo, Joana Cardoso

Melhor Maquilhagem e Cabelos
Amadeo, Sandra Pinto e Natália Bogalho

Melhor Série/Telefilme
Rabo de Peixe (Criação: Augusto Fraga, Escrito por: Augusto Fraga, Hugo Gonçalves e João Tordo, Produção: Pandora da Cunha Telles e Pablo Iraola – Ukbar Filmes)

Melhor Curta-Metragem de Ficção
2720, de Basil da Cunha

Melhor Curta-Metragem de Documentário
Coney Island – As Primeiras Vezes, de Joana Botelho

Melhor Curta-Metragem de Animação
Sopa Fria, de Marta Monteiro

Prémio Sophia Estudante
Défilement, de Francisca Miranda – FBAUP

Prémio Sophia Carreira 2024
Luís Cília, compositor
Rui Simões Realizador

Sophia Mérito e Excelência
José Manuel Costa

Melhor Trailer
O Último Animal, de Karen Levy

Melhor Cartaz
A Noiva, de Cristina Reis

Melhor Filme Europeu
Cerrar Los Ojos, de Victor Erice

Prémio Arte & Técnica
“O som e a música no cinema português contemporâneo – processos criativos seguido de entrevistas”, de Helder Filipe Gonçalves

Siga o novo canal da Time Out Lisboa no Whatsapp

+ Galões, collants e rock n’ roll. Banda de glam rock portuguesa inspira filme

Escrito por

Rate it

0%